Olá, faça seu login ou cadastre-se.

Você está aqui

Artista urbano retrata história do Projeto De Olho no Lixo desenvolvido na Rocinha

Artista urbano retrata  história do Projeto De Olho  no Lixo desenvolvido na Rocinha

Quando: Segunda-feira (15/5); às 10h

Onde:  localidade conhecida como Roupa Suja, na Rocinha, ao lado da quadra da Roupa Suja que fica na saída do túnel Zuzu Angel, sentido Barra da Tijuca.

Em um mural com 36 metros de comprimento, artistas urbanos irão retratar a história do Projeto De Olho no Lixo, que é desenvolvido na Rocinha, na Zona Sul da cidade. Assinada por Carlos Esquivel, conhecido como Acme, pioneiro no grafite carioca, a obra abrangerá desenhos que darão forma e vida ao cotidiano das ações do projeto na comunidade, através da atuação dos agentes ambientais na coleta do lixo e das oficinas de capacitação em reaproveitamento de resíduos sólidos Funk Verde e Ecomoda.

Enquanto os desenhos ganham vida pelas mãos do artista urbano, modelos utilizando peças de vestuário e  acessórios produzidos pelos alunos do Ecomoda farão um ensaio fotográfico, ao som do funk verde.

As pinturas começaram na sexta-feira (12/5), e, nesta segunda-feira (15/5), protetores da Baía de Guanabara do Projeto De Olho Lixo, que também é desenvolvido na comunidade Roquete Pinto, na Zona Norte da cidade, visitarão o local.

O grupo acompanhará a confecção do mural que  faz parte do futuro espaço físico do Projeto De Olho no Lixo que será inaugurado em breve. Ali, funcionará o galpão para a separação e a triagem de resíduos provenientes da coleta seletiva da cooperativa Recicla Rocinha formada pelos agentes ambientais. Também abrigará as oficinas da atividades complementares do projeto que são o  Funk Verde e o Ecomoda.  

Fruto de cooperação técnica entre a Secretaria de Estado do Ambiente (SEA), Instituto Estadual do Ambiente (INEA) e o Viva Rio Socioambiental, com recursos da Associação dos Supermercados do Estado do Rio de Janeiro (Asserj), o Projeto De Olho no Lixo desenvolve trabalho de manejo correto dos resíduos sólidos na Rocinha, visando a minimizar o impacto negativo provocado pelo lixo.

Além da coleta de lixo, que é realizada por 30 agentes socioambientais, o projeto De Olho no Lixo tem outro eixo de atuação que é o de educação ambiental, cultura e comunicação que pretende evitar a continuidade de lançamento dos resíduos pelos moradores e transformando lixo em arte e renda. Para isso, são desenvolvidos na comunidade dois cursos gratuitos: Funk Verde que oferece oficinas de percussão e teoria musical com o reaproveitamento de materiais retirados do lixo para a confecção de instrumentos musicais; e o Ecomoda, voltado para a capacitação em produção de acessórios e peças de vestuário, a partir do reaproveitamento de retalhos, tecidos, jeans usados e banners. De abril de 2016 a maio de 2017 já foram recolhidas 590 toneladas de lixo em pontos estratégicos da Rocinha.

As oficinas do Funk Verde e do Ecomoda já capacitaram cerca de 79 pessoas. Durante as aulas já foram produzidos 80 instrumentos musicais com destaque para a cuíca confeccionada com canos PVC, um tipo de resíduo da construção civil; o pandeiro produzido com garrafa pet em substituição ao couro animal e latas de tinta que foram transformadas em tarol; e mais de 400 peças de vestuário, entre calças, vestidos, blusas e bolsas, além de acessórios.

Carlos Esquivel, o Acme

Artista autodidata, Acme realizou a instalação de uma escultura para mobiliário urbano Baleia de Jonas no Boulevard Olímpico no Centro do Rio, além de um mega painel de 2.200 metros quadrados Cidade Submersa pelo InstaWalkRio. Também foi artista anfitrião com obras expostas e performances na Casa da Suíça durante as Olimpíadas.

Projeto De Olho no Lixo – Baía de Guanabara

O Projeto De Olho no Lixo Baía de Guanabara foi lançado na comunidade Roquete Pinto, na Zona Norte da cidade em novembro de 2016.

O projeto capacita jovens a serem Protetores da Baía de Guanabara. Após a capacitação, eles irão elaborar um plano de ações de limpeza e de educação ambiental, a partir de um levantamento sobre os principais problemas ambientais de sua comunidade quanto à destinação do lixo.

Como parte das atividades desse plano de ação, serão realizados mutirões de limpeza, principalmente nos manguezais e ilhotas do Canal do Cunha, um afluente da Baía de Guanabara onde está instalada uma  das 17 ecobarreiras.

O projeto também oferece aos participantes e à comunidade em geral, atividades complementares de  arte  e educação ambiental em moda e música, através dos cursos  Funk Verde e Ecomoda.

Na Roquete Pinto, o projeto De Olho no Lixo tem o apoio dos parceiros Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Instituto Brasileiro de Administração Municipal (IBAM) e  Programa de Saneamento dos Municípios do Entorno da Baía de Guanabara (PSAM).

Comentários no Facebook

Você também pode gostar de