Blogs

Você está aqui

Água do Rio das Flores: de olho no futuro da segurança hídrica do Estado

Água do Rio das Flores: de olho no futuro da segurança hídrica do Estado

Projeto permanente de recuperação florestal no sul do Rio de Janeiro visa preservar mananciais e garantir abastecimento público a longo prazo

Amigos, a crise hídrica vivida no Rio de Janeiro nos últimos anos mostrou que, mais do que agir quando acontece o problema, precisamos cuidar de forma permanente dos nossos recursos hídricos. De olho no futuro que queremos ter, e lembro que já nos aproximamos do próximo período seco, buscamos dar mais um salto na gestão da nossa água e lançamos no início de outubro o projeto Água do Rio das Flores.

Trata-se de uma ação permanente que tem o objetivo de recuperar matas ciliares da Bacia do Rio das Flores, localizada na região do Médio Paraíba. Além de abastecer os municípios de Valença e Rio das Flores, o rio que dá nome à bacia é um dos principais afluentes do Paraíba do Sul, que abastece 80% da população do Estado do Rio de Janeiro.

Essa iniciativa inovadora conta com o apoio de diversos parceiros como: a Fundação Educacional Dom André Arcoverde (FAA), a Concessionária Rio Galeão, a Ferroport, o Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul - CEIVAP e a Agência da Bacia do Rio Paraíba do Sul - AGEVAP.

A região da bacia do Rio das Flores se inicia em Barra de Piraí e termina em Valença, município que recentemente viveu um intenso período de falta de água e tem o rio como principal manancial de abastecimento - o ponto de captação fica no bairro da Passagem.

Projeto protege água da bacia do Rio das Flores - crise da água RJMais de 50 mil habitantes são atendidos por esse recurso natural, o que representa cerca de 80% da população valenciana. 

Apesar de ter 32% da sua área coberta por florestas, a bacia tem mais de 60% da sua extensão total utilizada por pastagens e agricultura, práticas que estão entre as principais ameaças à conservação do Rio das Flores.

Nossa expectativa com o projeto é plantar cerca de um milhão de mudas de árvores nativas da Mata Atlântica próximas a nascentes e nas margens dos rios da bacia. Em cinco anos, queremos reflorestar 610 hectares de área, o que equivale a cerca de 600 campos de futebol.

Ações de reflorestamento para proteção dos mananciais no sul fluminense integra Pacto pelas Águas

O projeto Água do Rio das Flores contribui para intensificar as ações de reflorestamento no Rio de Janeiro, além de trazer ainda mais a região sul fluminense para o centro das atenções. A iniciativa integra o programa Pacto pelas Águas, do governo do Estado, que agrega diversos projetos baseados na restauração e conservação de áreas de mananciais estratégicos. E esse é o centro de toda a nossa política de reflorestamento: priorizar a recuperação de áreas que vão refletir na melhoria dos mananciais de abastecimento público, a fim de prevenir a crise hídrica e também colocar o Estado do Rio de Janeiro em uma margem de segurança no que diz respeito ao abastecimento da população. Isso é segurança hídrica.

Os rios que abastecem o Estado dependem das fontes e nascentes que correm para eles e para garantir o abastecimento seguro do Estado a longo prazo é preciso preservar os mananciais e proteger as áreas florestais que os abrigam.

O vice-prefeito eleito de Valença, Hélio Suzano, que também coordenou a Campanha da Fraternidade 2016 no município, destacou que esse é o momento de valorizar a região e promover a integração dos diversos atores.

“O Rio precisa investir mais no interior. São Paulo é um ótimo exemplo de como essas regiões são bem desenvolvidas. O projeto, apesar de ser ecológico, também traz uma consciência de desenvolvimento para as prefeituras. Somos um Estado e cada município precisa do outro para se desenvolver”.

Engajamento da população é a chave para vencer crise da água

Esse é um projeto que depende das pessoas para acontecer e nosso objetivo é conseguir o máximo de adesão. A mobilização dos proprietários rurais da região, por exemplo, é fundamental para se encontrar e definir as áreas a serem recuperadas.

Esse trabalho será feito por meio do Cadastro Ambiental Rural (CAR), que mapeia e faz a regularização ambiental dos imóveis rurais. Agentes do projeto Água do Rio das Flores já realizam visitas a essas propriedades para sensibilizar os moradores da região da bacia.

Os produtores rurais interessados em aderir ao projeto ganham assistência técnica gratuita para se cadastrarem no CAR e toda a adequação ambiental da propriedade e restauração florestal em nascentes e matas ciliares dentro dela fica a cargo do projeto.

Para participar, basta ter propriedade rural na região da Bacia do Rio das Flores, se registrar no CAR e assinar o termo de adesão ao projeto. As inscrições podem ser feitas pelo telefone (24) 2453-0756 ou pelo e-mail [email protected].

Produtor rural no distrito de Pentagna, em Valença, o engenheiro Gabriel Moreira chamou a atenção para o fato de que o trabalho de recuperação ambiental beneficia diretamente os donos das propriedades.

“A produção rural é a atividade que mais gera empregos em Valença, são 2.000 propriedades do tipo no município. Ao preservar a margem do rio, por mais que se inutilize uma faixa normalmente usada para o pasto, a produção é beneficiada, pois depende da existência de água e esse é um bem cada vez mais escasso”.

O projeto também irá promover a capacitação de jovens da região, para que possam atuar na restauração e conservação de áreas florestais. Esse trabalho será feito com alunos vindos de escolas agrotécnicas e a expectativa é promover a inclusão dos jovens no mercado de trabalho por meio de empregos “verdes” e, dessa forma, gerar mais renda local.

Gabriel reforçou que essa também é uma forma de apoiar os produtores rurais a entenderem, tecnicamente, porque a adesão ao projeto é fundamental para a valorização da sua propriedade e preservação dos recursos naturais da região.

“Muitas vezes, o produtor não tem conhecimento técnico para compreender a importância de um trabalho como esse, por isso a necessidade da conscientização. Com a capacitação dos jovens, ganhamos mais força na atuação junto aos produtores, além de dar mais possibilidades de trabalho aos técnicos agrícolas. O jovem valenciano não tem um horizonte muito grande para desenvolver o seu conhecimento e essa é uma forma de melhorar esse cenário”.

Tal iniciativa se inspira em um trabalho que é feito pelo Instituto Terra desde 2002, por meio do Núcleo de Estudos em Restauração Ecossistêmica. O programa já formou mais de 70 técnicos agrícolas de diversos lugares do Brasil e mais de 80% deles estão empregados na área de formação. Queremos replicar esse sucesso também no projeto Água do Rio das Flores e contar com a energia dos jovens para promover uma produção agrícola mais sustentável.

Para o vice-prefeito eleito Hélio Suzano, mais do que uma conscientização ambiental, o projeto é uma forma de agir no psicológico das pessoas em relação à falta de água.

“Uma ação como essa é fundamental, se considerarmos que hoje mais de 80% do abastecimento de Valença vem do Rio das Flores. Uma região linda, que está abandonada, deteriorada. Apenas um trabalho de conscientização das pessoas é capaz de nos alertar para o futuro e proteger esse ecossistema. Valença é uma cidade que muito fala de turismo, mas precisa ter mais consciência ecológica para se desenvolver nesse aspecto. Um projeto como esse traz novos ares para a gente, tem um impacto ambiental e também psicológico nas pessoas”.

No vídeo abaixo, falo mais sobre o projeto e da importância da participação de todos para o sucesso dessa iniciativa. Confira:

Vocês lembram quando estávamos no auge da crise da água e os níveis do Paraíba do Sul, principal fonte de abastecimento do Estado, caíram expressivamente? Tivemos que realizar diversas ações de emergência para recuperar a vazão da bacia, que hoje já apresenta índices bem superiores a 2014 e 2015. Algumas delas foram:

  • Definição de novas regras de operação dos reservatórios da bacia do Rio Paraíba do Sul;
  • Realização de obras estruturais na bacia do Rio Guandú para aumentar a capacidade de armazenamento de água nos reservatórios do Paraíba do Sul;
  • Criação do Refúgio da Vida Silvestre no Médio Paraíba, com o objetivo de proteger rios e mananciais nos ecossistemas de Mata Atlântica;

Desassoreamento contínuo de margens e leitos dos principais rios fluminenses.

Agora, com o projeto Água do Rio das Flores, vamos proteger o nosso futuro e juntos garantir qualidade de vida para a população do Rio de Janeiro e o meio ambiente.

Conto com toda a população sul fluminense neste trabalho! Acompanhem os próximos passos do projeto aqui no blog, no site e pelas minhas redes sociais.

Grande abraço,

André Corrêa.

 

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS

  • Facebook

  • Twitter

  • Instagram

  • Youtube

  • Linkedin