BAIXE O MEU APP

Olá, faça seu login ou cadastre-se.

Blogs

Você está aqui

RIO BENGALAS: ESSA OBRA EU COMEMORO

RIO BENGALAS: ESSA OBRA EU COMEMORO

Amigas e amigos, na câmara legislativa ou num cargo executivo, tudo que eu consigo realizar em benefício do nosso estado e das pessoas que aqui vivem é apenas a minha obrigação. Isso quer dizer que posso me realizar com uma tarefa bem-feita, mas ficar comemorando seria um certo exagero.

Porque então a obra do Rio Bengalas, em Friburgo, merece uma comemoração?

Por dois motivos muitos simples:

A crise financeira do Estado e do País

Esse é o primeiro motivo. No meu período na Secretaria do Meio Ambiente, o Estado do Rio de Janeiro e o Brasil tiveram uma redução no PIB gigantesca, o que colocou o nosso estado em uma crise financeira sem precedentes. E fazer obra sem dinheiro é complicado. Tive que negociar uma a uma as 150 desapropriações necessárias para a obra. E o terreno na beira do rio é plano. E terreno plano em cidade de serra é muita valorizado.

A urgência

E esse é o segundo motivo. O impacto das chuvas de 2011 na Região Serrana foram dramáticos. Em Friburgo, o Rio Bengalas que cruza a cidade ficou em situação muito precária, assoreado. Uma nova tragédia seria apenas uma questão de tempo.

Resumo da obra

Um trecho de 3,5 km de rio, no Distrito de Conselheiro Paulino, foi dragado, suas margens receberam proteção e contenção e foi feita a adequação da calha. Só para dar uma ideia, o volume de detritos sólidos retirados do Rio Bengalas daria para encher até a boca 120 piscinas olímpicas. Nas margens do Rio, além de plantar 680 mudas de árvores, colocamos academia ao ar livre e áreas de lazer para a população.

Quando se desenvolverem, essas mudas estabelecerão uma espécie de parque linear que valorizará e embelezará o local. Além disso, foram plantados bougainvilles próximo à margem do rio para que sirvam como proteção e impeçam que as pessoas, principalmente crianças, cheguem perto da margem e corram algum risco.

Agora, o trabalho é pela nova etapa da intervenção. no trecho entre o Colégio Municipal Rui Barbosa e a garagem da empresa de ônibus Faol, no Prado,  e também nas imediações da rodoviária norte, em Duas Pedras, até a ponte próxima à fábrica Haga.   

Um pedido à população de Nova Friburgo

Como eu falei aí em cima, retiramos o equivalente a 120 piscinas olímpicas de detritos sólido. Parte disso areia, pedra, troncos... Mas um volume expressivo era de lixo. Pneus, móveis velhos, sacos plásticos, latas, pedaços de carros...

Por favor, não vamos jogar fora os recursos investidos. Não jogue lixo no rio. Nossa natureza agradece. E lembre-se: você faz parte da natureza.

Desculpas e obrigado

Apesar da felicidade pela entrega eu quero pedir desculpas a toda população de Nova Friburgo pelo atraso de quase um ano na conclusão da obra. Vocês podem ter certeza que tudo que podia ser feito para manter a obra andando, mesmo num ritmo um pouco mais lento que o planejado, foi feito. Tanto que essa foi a única obra de porte do estado que não parou nesse período de crise.

Desculpas também aos que tiverem seus imóveis desapropriados, porque houve atraso no pagamento das indenizações.

E quero agradecer a todos que trabalharam para que isso acontecesse. Adoraria dizer que foi uma realização minha. Mas seria mentira. Município, estado e federação. Muita gente nessas três esferas de governo trabalhou muito para realizar essa obra. A todos, muito obrigado.

E vamos trabalhar porque há ainda muito por fazer por Nova Friburgo.

Até a próxima.

Um abraço do amigo André Corrêa.